Ceia de natal: substitua os alimentos tradicionais e faça uma economia de mais de 40%

Editoria: Economia

Um dos momentos mais esperados pela família brasileira é a ceia de natal, mas com a pandemia e a alta dos preços dos alimentos, a festividade pode reduzir. Por isso, preparamos uma sugestão de cardápio econômico, com pratos saborosos e saudáveis que podem substituir as tradicionais preparações. São seis opções de receitas para 8 pessoas, …

Um dos momentos mais esperados pela família brasileira é a ceia de natal, mas com a pandemia e a alta dos preços dos alimentos, a festividade pode reduzir. Por isso, preparamos uma sugestão de cardápio econômico, com pratos saborosos e saudáveis que podem substituir as tradicionais preparações.

São seis opções de receitas para 8 pessoas, em que você consegue economizar mais de 40%, com custo que não passa de R$ 30,00 para cada convidado: substitua aves importadas, como Chester e peru, por frango; o conhecido salpicão, por salada carioquinha; o tradicional arroz à grega, por canjiquinha e a famosa sobremesa de pavê, por torta com sorvete caseiro. 

Cardápio de ceia de natal do Alimente-se Bem com custo para 8 pessoas 

Entrada: 

Salada carioquinha - R$ 14,74

Guarnição: 

Batata ao alecrim - R$ 14,66 

Canjiquinha fiesta - R$ 10,35

Prato principal: 

Pollo del contadino - R$ 110,46

Sobremesa: 

Cuca natalina - R$ 22,96

Torta de abóbora da vovó com sorvete de coco e gengibre - R$ 51,16

As sugestões equivalem a R$ 224,33, o que indica uma redução de aproximadamente 45%, comparado a uma ceia tradicional, que totaliza R$ 405,76 - um valor que representa cerca de R$ 50,00 para cada um. Além das receitas ajudarem na economia, elas incentivam a compra dos alimentos da safra e do produtor local. 

Dicas de saúde e segurança na hora da ceia  

Confira no vídeo cuidados para mais segurança e saúde na ceia de Natal algumas dicas ao circular e comer durante a ceia. 

Aproveitar frutas, legumes e verduras com maior oferta pode ajudar no orçamento do mês e beneficiar a saúde de toda a família

Editoria: Economia

Adotar um cardápio balanceado é essencial para ajudar  o bom funcionamento do organismo e melhorar a disposição. O consumo de frutas e hortaliças é fundamental para uma vida mais saudável. Porém, a alta nos  preços dos alimentos representa hoje o terceiro maior aumento mensal, segundo o índice do IBGE, atingindo de 0,13% entre abril e …

Adotar um cardápio balanceado é essencial para ajudar  o bom funcionamento do organismo e melhorar a disposição. O consumo de frutas e hortaliças é fundamental para uma vida mais saudável. Porém, a alta nos  preços dos alimentos representa hoje o terceiro maior aumento mensal, segundo o índice do IBGE, atingindo de 0,13% entre abril e maio, atrás apenas do crescimento dos gastos com habitação (0,42%) e transporte (0,14%).

Uma alternativa para manter a alimentação saudável sem prejudicar o orçamento é dar preferência para os alimentos da época, ou sazonais. Além de mais nutritivos e saborosos, acabam sendo mais baratos, pois demandam menos agrotóxicos e manejo humano para seu desenvolvimento. 

E, para que a economia seja ainda maior, aderir ao aproveitamento integral dos alimentos é uma ótima opção para otimizar o consumo. Podemos consumir as ramas (cenouras) ou folhas (como o rabanete e a beterraba), as sementes (da abóbora e do melão) e as cascas (da banana), enriquecendo muito o valor nutritivo das receitas e de quebra reduzindo o lixo, o que ajuda o ambiente! 

Difícil? Nada! O portal do Alimente-se Bem está cheio de receitas com aproveitamento integral de alimentos para te ajudar!

Para te inspirar, confira aqui a safra da estação e receitas com alimentos dessa época: maçã e couve-flor!

Geleia de casca de frutas

Carne havaiana

Sopa de couve flor com farofa de folhas

Sucoflor

Estrogonofe camponês

Pescados. Conheça os benefícios, os cuidados e aprenda novas receitas

Editoria: Economia

Ricos em nutrientes fundamentais para o organismo, os pescados podem ser preparados de variadas formas e ter diversos sabores. Os peixes são os pescados mais consumidos pelos brasileiros. No entanto, esse grupo ainda inclui crustáceos (como camarões, caranguejos e siris) e moluscos (como polvos, lulas, ostras e mariscos). Apesar do nosso país possuir uma imensa …

Ricos em nutrientes fundamentais para o organismo, os pescados podem ser preparados de variadas formas e ter diversos sabores. Os peixes são os pescados mais consumidos pelos brasileiros. No entanto, esse grupo ainda inclui crustáceos (como camarões, caranguejos e siris) e moluscos (como polvos, lulas, ostras e mariscos).

Apesar do nosso país possuir uma imensa costa marítima e inúmeros rios de grande porte, na maior parte das regiões, a oferta de pescados é muito pequena e os preços são relativamente altos em relação às carnes vermelhas e de aves. Isso ajuda a explicar a baixa frequência de consumo de peixes, crustáceos e moluscos por aqui. Além disso, a dieta ocidental tem como base as carnes vermelhas, que são ricas em gordura saturada e causam doenças cardiovasculares.

A composição do pescado e seu valor nutritivo variam em vários fatores, como: espécie, idade, meio em que vive, tipo de alimentação, época de captura e peso. Em geral, a composição do pescado varia em proteína de 8 a 23%; em gordura, de 0,5 a 25%; e em carboidratos, em menos de 1%.

Os peixes são ricos em proteína de alta qualidade e em muitas vitaminas e minerais. Pela alta proporção de gorduras insaturadas, consideradas saudáveis, os peixes também podem substituir as carnes vermelhas de forma excelente.

Em qualidade nutricional, destacam-se peixes e crustáceos de águas muito frias dos oceanos Pacífico e Ártico, pois são as principais fontes dos ácidos eicosapentaenoico (EPA) e docosahexaenoico (DHA), assim como de gorduras conhecidas como ômega 3, que são responsáveis por prevenir as doenças cardiovasculares.

Apesar de ser um alimento muito saudável, o peixe é muito sensível e, por isto, alguns cuidados devem ser tomados:

  • Ao realizar a compra, observe a higiene do local e dos manipuladores, que devem usar jalecos e touca;
  • Programe-se para comprar o peixe e ir para casa. Pouco tempo fora da refrigeração já é o suficiente para que ele se deteriore;
  • No mercado, na peixaria ou na feira, os peixes devem estar em uma espessa camada de gelo;
  • O peixe deve ser descongelado em refrigeração, nunca em temperatura ambiente.
  • No caso do bacalhau, deve ser dessalgado também em refrigeração;
  • Na hora da compra, o peixe não deve ter coloração rosada e nem pontos pretos.
  • Os olhos devem estar brilhantes, sem pontos esbranquiçados e com preenchimento da órbita por completo (não devem estar murchos/secos);
  • Se possível, levante as guelras – as brânquias devem ter cor avermelhada.
  • As escamas devem estar firmes, resistentes e brilhantes;
  • O peixe tem cheiro de peixe ou de mar, mas o cheiro deve ser suave;
  • Preparou peixe e sobrou? Guarde imediatamente em refrigeração e, no momento de aquecer, a temperatura deve atingir no mínimo 70 graus.

Em cada canto do Brasil, os peixes ganham sabores e formas diferentes. Eles podem ser assados, grelhados, ensopados ou cozidos. Podem, ainda, ser usados como ingredientes de pirão e saladas e até servir como recheio de tortas. Em alguns lugares, ele é preparado com legumes como pimentão, tomate e cebola, e em outros é possível saboreá-lo com frutas, como banana e açaí.

Se a ideia é economizar, existem peixes que poderão substituir o bacalhau e que são também muito saborosos. Que tal preparar uma moqueca? Esse prato brasileiro aceita muito bem peixes como namorado ou pescada. Se quiser assar, aposte na tainha e na tilápia, e, para outros pratos, você pode experimentar o linguado, a tainha, o cação e especialmente a sardinha, que é um peixe com baixo custo e alto teor nutritivo!

Confira essas receitas econômicas com peixe que separamos para você saborear:

Cinco benefícios de fazer lista antes de ir às compras

Editoria: Economia

Ir ao mercado pode ser uma tarefa prazerosa para alguns e um sacrifício para outros. O fato é que, independente de gostar ou não, precisamos criar uma lista de compras. Se planejar antes de ir às compras pode garantir que você abasteça a sua despensa com os produtos necessários para o período que você estipulou.  …

Ir ao mercado pode ser uma tarefa prazerosa para alguns e um sacrifício para outros. O fato é que, independente de gostar ou não, precisamos criar uma lista de compras.

Se planejar antes de ir às compras pode garantir que você abasteça a sua despensa com os produtos necessários para o período que você estipulou. 

Veja a seguir cinco benefícios de fazer uma lista de compras:

1- Economiza tempo

Hoje em dia o tempo é algo muito valioso. Então, economizá-lo com a ida ao mercado virou prioridade. Ir às compras sem saber o que precisa comprar e o que tem na sua despensa é um grande problema. Ter a lista em mãos otimiza o tempo e evita idas desnecessárias ao mercado.

2- O seu bolso agradece

Com a lista em mãos, você consegue fazer uma pesquisa de preços e comprar o que está mais em conta. Se achar mais interessante, aproveite as ofertas de diversos estabelecimentos e reduza o valor final da sua fatura.

3- Alimentação mais saudável

Pensar num cardápio facilita e qualifica a sua lista de compras, pois você irá considerar o que precisa para um determinado período e terá a oportunidade de realizar as escolhas certas à sua saúde. Uma boa dica é colocar no cardápio os vegetais da época.

4- Evita desperdícios

Nunca sai de moda o consumo sustentável. Quando você faz uma lista de compras, consegue visualizar melhor a quantidade que vai precisar de cada produto considerando os alimentos existentes na despensa. Assim, consegue reduzir o desperdício e aproveitar melhor tudo que foi comprado.

5-Mantém o foco

Resistir àquela escapadinha na prateleira de guloseimas se torna mais fácil quando planejamos o que vamos comprar. Ter foco pode fazer a diferença na hora de dizer não, principalmente às tentações alimentares.

Definitivamente criar o hábito de ir às compras com a sua lista em mãos pode trazer uma série de benefícios. Além de reduzir o tempo gasto no mercado, você economiza no orçamento doméstico e se alimenta de forma mais saudável. Então, comece a fazer agora a sua listinha e, da próxima vez que for ao mercado, não caia em armadilhas.

Compra mensal ou ofertas da semana?

Editoria: Economia

Hoje, fazer uma compra mensal ou semanal é uma opção para muitas famílias, mas na década de 1980 não era bem assim.  O brasileiro sabe muito bem que naquela época, a famosa “compra do mês” era a saída para tentar economizar. Muitos produtos tinham o seu preço reajustado várias vezes no mesmo dia e o …

Hoje, fazer uma compra mensal ou semanal é uma opção para muitas famílias, mas na década de 1980 não era bem assim.  O brasileiro sabe muito bem que naquela época, a famosa “compra do mês” era a saída para tentar economizar.

Muitos produtos tinham o seu preço reajustado várias vezes no mesmo dia e o poder de compra do trabalhador brasileiro caia mês a mês com o temido dragão da inflação.  Por isso, boa parte das pessoas faziam compras assim que recebiam seus salários, já que o seu dinheiro poderia valer muito menos na semana seguinte ou até no mesmo dia.

Embora a hiperinflação tenha passado, muitas famílias ainda mantêm o hábito de fazer uma compra mensal. E agora, será que essa é a melhor estratégia ou vale a pena visitar o mercado várias vezes no mês?

Vantagens e desvantagens da compra mensal

Para você que tem uma vida muito corrida ou mora longe do seu mercado favorito, economizar tempo pode ser a primeira grande vantagem ao optar pela compra mensal. 

Outro benefício é que você pode aproveitar melhor as promoções de determinados produtos, que estejam em oferta naquele momento comprando em maior quantidade. Hoje em dia, muitas pessoas costumam ir aos populares “atacarejos”, supermercados atacadistas que vendem no varejo e onde é possível adquirir produtos com preços mais baixos que os praticados nos mercados tradicionais.

A primeira desvantagem das compras mensais é que você acaba levando para casa uma quantidade menor de produtos in natura, devido ao tempo de conservação. Nesse sentido, a sua dieta tende a ficar mais pobre com a falta de frutas e verduras durante todo o mês.

Além disso, pesa o fato de os supermercados terem novas promoções praticamente todos os dias, já que você quase não aproveitará as ofertas que aparecerão exatamente no período em que não for ao mercado. Sem contar que, na compra do mês, normalmente, leva-se tudo de um mesmo estabelecimento e nem sempre todos os produtos daquele mercado têm o melhor preço para o seu bolso.

Vantagens e desvantagens da compra semanal

O grande vilão das compras semanais é que elas podem ser sinônimo de gastos a mais com produtos supérfluos. Você pega um item de uma marca mais cara aqui, um salgadinho tamanho gigante ali, e ainda próximo ao caixa pega diversas guloseimas que ficam saltando aos olhos. Caso essa ação se torne rotina, isso pode pesar no orçamento.

Porém, ao comprar por semana, você consegue montar o seu cardápio mais facilmente pela quantidade de dias e ainda evita desperdícios. Outro ponto a favor é que temos o outro “lado da moeda” dos fatores negativos da compra do mês. Indo mais vezes ao mercado, é provável que você consiga selecionar melhor os alimentos e ter uma alimentação mais saudável. Sem falar que frutas e verduras são alimentos perecíveis e costumam estragar bem mais rápido.

E por fim, com a popularização da internet nos aparelhos móveis, por exemplo, você pode verificar a qualquer momento os preços em vários mercados antes de sair às compras.

Hora de decidir

Apresentamos aqui vantagens e desvantagens das duas modalidades de compra. Agora, você precisa analisar o que se encaixa melhor na sua rotina. Pode ser que a compra mensal se adeque ao seu ritmo por falta de tempo, pela distância da sua casa e também porque você pode conseguir boas promoções exatamente no dia que decidir ir ao mercado.

Ou então, você tem tempo para fazer compras semanais e aproveitar muito mais as promoções que surgem diariamente, evitando assim, o desperdício e ainda manter uma boa dieta.

Agora, você pode escolher em qual time vai jogar. Compra mensal ou semanal? Independente da escolha, que seja uma decisão pensada no consumo consciente e sustentável.

Economize com os alimentos da safra da estação

Editoria: Economia

Quando pensamos nos alimentos da safra da estação, logo associamos à ampla oferta nas feiras-livres e mercados, sem falar nos preços baixos e nos ganhos nutricionais com essa variedade e disponibilidade. O guia alimentar para a população brasileira recomenda o consumo, sempre que possível, de produtos “da época”, pois por terem seu ciclo natural de …

Quando pensamos nos alimentos da safra da estação, logo associamos à ampla oferta nas feiras-livres e mercados, sem falar nos preços baixos e nos ganhos nutricionais com essa variedade e disponibilidade. O guia alimentar para a população brasileira recomenda o consumo, sempre que possível, de produtos “da época”, pois por terem seu ciclo natural de amadurecimento respeitados, os vegetais são mais saborosos e têm aroma mais forte.

Ademais, as “frutas da estação” geralmente são produzidas em locais próximos aos seus pontos de distribuição. Optar por consumi-las contribui para a redução do impacto ambiental uma vez que essa prática impulsiona a economia local, diminuindo as distâncias entre produtor e consumidor, o que reduz o desperdício de produtos durante o seu transporte.

Um exemplo de fruto cuja safra é forte durante os quatro meses do verão é a jaca. Sua polpa tem sido bastante utilizada como "carne" vegetariana em pratos salgados, e suas sementes cozidas podem render uma excelente salada.

A jaca é um fruto rico em carboidratos e minerais, como cálcio, fósforo, potássio, iodo, cobre e ferro. Contém vitaminas A, C e do complexo B e, por isso, seu consumo é muito benéfico para a saúde. 

A fruta possui grande quantidade de fibras em sua composição, ajudando a prevenir problemas intestinais e favorecendo o processo digestivo.

Outro vegetal que tem a safra constante em todos os meses do verão é a cebola roxa, muito conhecida por ser aliada à saúde do coração. O alimento contém antocianinas, que conferem sua cor roxa, e quercetina, ambas substâncias antioxidantes que ajudam a minimizar os processos inflamatórios do corpo. 

A cebola roxa também tem uma alta concentração de fruto-oligossacarídeos, um tipo de fibra que possibilita a redução dos picos de glicose (açúcar) do sangue e que aumenta o número das bactérias benéficas à saúde intestinal . Outro nutriente contido no vegetal é o cromo, um mineral capaz de aumentar a tolerância das células à glicose, que também contribui no controle de sua concentração no sangue e, por isso, beneficia  pacientes com diabetes.

Quer aproveitar mais os alimentos da safra do mês de março? Para te auxiliar, disponibilizamos uma tabela com frutas, legumes, verduras e pescados, cuja safra é exclusiva deste mês, clique aqui e confira.

Três receitas para aproveitar as sobras da ceia de Natal.

Editoria: Economia

O Natal é um dos períodos do ano em que as pessoas mais se dedicam ao preparo dos alimentos. A ceia do dia 24 é responsável por uma grande variedade de carnes, aves, saladas e sobremesas, que buscam agradar a todos que se sentam à mesa. No entanto, se sobrar, toda essa fartura de alimentos …

O Natal é um dos períodos do ano em que as pessoas mais se dedicam ao preparo dos alimentos. A ceia do dia 24 é responsável por uma grande variedade de carnes, aves, saladas e sobremesas, que buscam agradar a todos que se sentam à mesa. No entanto, se sobrar, toda essa fartura de alimentos pode ser sinônimo de desperdício no dia seguinte.

Para que você não tenha de jogar um monte de comida fora, é preciso ter alguns cuidados com os alimentos na hora em que a ceia terminar, como por exemplo, conservá-las. Não deixe as comidas quentes expostas por mais de duas horas e busque sempre armazená-las em recipientes menores, não todos juntos em um só.

Outra dica especial para o pós-ceia é preparar novas refeições com as sobras. Não sabe como? Confira as três receitas que separamos para você não perder nada da sua deliciosa ceia de Natal!

Chester Recheado com Purê de miúdos

Arroz natalino

Pudim de panetone com casca de maçã

Ceia natalina: aposte em aves econômicas e saborosas.

Editoria: Economia

Em um ano de crise mundial, não é novidade que os preços dos alimentos subiram no mercado. No entanto, o dia 25 de dezembro está chegando e todos já começam a pensar nos preparativos da ceia mais esperada do ano. A preocupação com os valores das carnes e aves que compõem a mesa natalina também …

Em um ano de crise mundial, não é novidade que os preços dos alimentos subiram no mercado. No entanto, o dia 25 de dezembro está chegando e todos já começam a pensar nos preparativos da ceia mais esperada do ano. A preocupação com os valores das carnes e aves que compõem a mesa natalina também aumenta. O peru e o chester não são animais típicos brasileiros e, por serem importados, tornam-se mais caros ainda.

No entanto, essas aves podem e têm sido substituídas pelo tradicional frango, que é muito mais em conta e, se preparado com os ingredientes e temperos certos, pode se tornar mais saboroso que os demais. Afinal, Natal é pura tradição, mas inovar nas receitas e ingredientes pode deixar a noite ainda mais saborosa!

Por isso, o Alimente-se Bem separou quatro receitas deliciosas para você apostar no frango na noite de Natal gastando pouco. Confira nos links abaixo!

Ragout de frango

Stinco de frango ao molho de maracujá com pêssego

Sobrecoxa de frango ao molho de laranja e salada de bifum com legumes e talos

Pollo del contadino

É possível economizar na ceia de Natal? Confira!

Editoria: Economia

A ceia de natal é um dos momentos mais esperados por muitos brasileiros.  Poder reunir toda a família para saborear uma deliciosa refeição com certeza é uma das tradições que muitos não abrem mão. Com a proximidade do feriado, os preços dos alimentos tendem a ficar mais caros e inacessíveis, uma das soluções é apostar …

A ceia de natal é um dos momentos mais esperados por muitos brasileiros.  Poder reunir toda a família para saborear uma deliciosa refeição com certeza é uma das tradições que muitos não abrem mão. Com a proximidade do feriado, os preços dos alimentos tendem a ficar mais caros e inacessíveis, uma das soluções é apostar nas substituições.

Utilizar as frutas da estação é uma das formas para economizar na ocasião.  Manga, abacaxi, ameixa e pêssego nacional são frutas em abundância no final do ano e podem fazer parte de várias receitas nutritivas e saborosas. O tradicional peru e chester, por sua vez, podem ser substituídos pelo frango, vendido a preços menores. Para fazer bonito à mesa, recheá-lo com farofa e decorá-lo ganham o mesmo efeito que as aves tradicionais. O bacalhau pode ser trocado por outros pescados. Outra dica para economizar é comprar os alimentos direto do produtor. Os alimentos in natura vão deixar seu jantar de natal além de saboroso bastante nutritivo. No portal do Alimente-se bem você confere várias receitas nutritivas, econômicas e deliciosas que vão fazer da sua ceia um momento memorável. Confira nossas receitas!

Ovo: De temido e proibido, ele passou a adorado!

Editoria: Economia

Conhecido pela presença frequente na mesa dos brasileiros, o ovo de galinha já foi considerado um dos principais causadores do aumento do colesterol ruim. No entanto, aos poucos, descobriu-se que o alimento é versátil e possui excelente qualidade nutricional. Afinal, é rico em proteínas de alto valor biológico e, comparando-se com outros alimentos com essa …

Conhecido pela presença frequente na mesa dos brasileiros, o ovo de galinha já foi considerado um dos principais causadores do aumento do colesterol ruim. No entanto, aos poucos, descobriu-se que o alimento é versátil e possui excelente qualidade nutricional. Afinal, é rico em proteínas de alto valor biológico e, comparando-se com outros alimentos com essa característica, possui baixo custo no supermercado.

O ovo também é rico em ácidos graxos de cadeia longa (muito importante no desenvolvimento e na saúde do nosso cérebro). O alimento ainda possui alta qualidade nutricional, e é  rico em proteínas de alto valor biológico; minerais como ferro, selênio, zinco e fósforo vitaminas A, E, K e do complexo B; carotenoides (Zeaxantina e Luteína) e Colina (importante componente do cérebro).

Como o ovo é muito utilizado como ingrediente em diversas receitas, separamos 7 dicas para você aproveitá-lo corretamente. Confira:

  1. Para garantir a segurança e evitar contaminação, sirva o ovo sempre com a gema dura. Caso opte pelo cozimento, conte pelo menos 7 minutos após a fervura.
  2. Ao preparar maionese caseira, utilize sempre a gema cozida, para evitar o risco de contaminação por salmonela.
  3. Há, no mercado, clara e gema pasteurizadas e até ovo em pó. Perfeitos para evitar a contaminação.
  4. Não compre ou utilize ovos com casca rachada. A casca do ovo é porosa, por isso precisa ser guardado em potes tampados, pois absorve odores, sempre em geladeira. Eles também não devem ser lavados para o armazenamento, somente antes do uso.
  5. No preparo de receitas, sempre quebre os ovos um a um em um recipiente separado, evitando a perda de ingredientes, caso o ovo esteja podre.
  6. A clara, quando batida em ponto de neve, absorve ar e pode até triplicar seu volume inicial, garantindo leveza principalmente às massas de bolo e suflês. Mas fique atento: o contato de qualquer resquício de gema ou gordura prejudica o processo de transformação das claras em ponto de neve.
  7. O ovo também é o queridinho daqueles que querem ganhar massa muscular, pela qualidade de sua proteína e por não ter um alto valor calórico. Mas não deve ser consumido cru.

E as diferentes cores dos ovos?

As cores das cascas variam de acordo com a raça das galinhas. Quando elas são criadas soltas e alimentadas com milho, como as caipiras, botam ovos com gema de cor mais escura, alaranjada e com maior concentração de ferro. Uma boa ideia é cozinhar o ovo em água colorida, como água de cocção da beterraba, isso o deixará com a clara rosada, ótima opção para divertir as crianças.

O ovo é sempre uma opção para uma refeição rápida e prática. Frito, cozido, mexido, poché, como omelete, em receitas doces ou salgadas, no pão, em bolos. Um coringa. Agora que você conhece tantos benefícios do queridinho do Brasil, que tal aproveitá-lo mais no seu dia a dia? Alimente-se bem diariamente!